Em 2009, no âmbito do “Ano da França no Brasil”, a Bibliothèque nationale de France e a Fundação Biblioteca Nacional do Brasil conceberam um site digital bilíngue, francês e português. Destinado a valorizar e a colocar à disposição do público um vasto conjunto de documentos representativos das relações entre os dois países, do século XVI até meados do século XX, o site “A França no Brasil” tem a ambição de tecer os fios de uma história singular, rica de contatos e influências. Mostra a maneira como circulam homens, ideias e saberes, como se forjam modelos e imaginários.

Manuscritos, impressos, mapas, desenhos e fotografias, majoritariamente selecionados das coleções das duas bibliotecas, constituem atualmente um corpus de 2000 documentos, que continuará a ampliar-se e se abrirá a registros sonoros e audiovisuais e a novas parcerias. Esse patrimônio documental, contextualizado e esclarecido graças a artigos inéditos, redigidos por especialistas franceses e brasileiros, já suscitou diversos eventos culturais, entre os quais cinco encontros internacionais.

O ano de 2018 marca uma nova etapa do site, que ganha nova visibilidade graças à sua integração na coleção Patrimônios Compartilhados, criada pela BnF em 2017. A nova versão conta agora com 54 contribuições editoriais, elaboradas por uma equipe de cerca de trinta autores e tradutores, franceses e brasileiros.

A criação de “A França no Brasil” baseou-se, já em 2009, em duas equipes, no Rio de Janeiro e em Paris, compostas de bibliotecários, especialistas do domínio franco-brasileiro e experts técnicos.

As temáticas abordadas, assim como a escolha dos documentos, foram selecionadas por um conselho científico que se constituiu em 2008:

Dois especialistas, também autores de muitos artigos para este site:

  • Michel Riaudel, professor titular na Sorbonne Université, responsável pelos “Estudos Lusófonos” no CRIMIC.
  • Ilda Mendes dos Santos, formada pela l'École Normale Supérieure de Fontenay-Saint-Cloud, atualmente professora adjunta e diretora do “Institut d’Études portugaises” na Sorbonne-Nouvelle-Paris 3.

Duas chefes de projetos (2008-2017), que permanecem até hoje responsáveis científicas

O site, em sua nova configuração, foi aberto ao público em 05 de dezembro de 2018.